Clarice Lispector

"O que eu sinto eu não ajo. O que ajo não penso. O que penso não sinto. Do que sei sou ignorante. Do que sinto não ignoro. Não me entendo, e ajo como se me entendesse."

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Amoreee *--*

E já que você não está aqui
O que fazer?
Chorar, por não ter alguém como você por perto?
Ainda bem que não tem igual
Se não fosse assim, perderia toda graça
Te gritar com a esperança de que possas me ouvir?
Prefiro esperar
E só então sussurar
O quanto você tem importado pra mim

Então vamos crer
Que não vou entorpecer com a sua presença
E quando a distancia serparar
enlouquecer por sua ausência
Que loucura!
Pareço estar em abstinência
Se, que estou enlouquecendo é o que você pensa
Então, posso apenas confirmar
Foi o que até mesmo estranhos viram no meu olhar
Ao sorrir sozinha
Andando a esmo
Sem rumo

Talvez buscando a felicidade
Que em tão pouco você conseguiu passar
Buscando a sinceridade
Que tão rapidamente encontrei no teu olhar
Velhas amizades parecem nem conseguir superar
Aquilo que encontrei no teu sorriso
Acho que encontrei meu amigo!
Será que você pode me dizer?
Ou vai mesmo preferir me enlouquecer?
Enquanto conto os segundos pra te ver
Como se tudo fosse como da primeira vez

Beijokas e Pipokassssss !!!!!!

terça-feira, 16 de agosto de 2011

As cores do amor

(Fernanda Brum e Emerson Pinheiro)

Se eu pudesse descobrir todas as cores do amor
Saber se é branco como a paz ou azul da cor do mar.
Se eu pudesse descobrir os segredos do amor
Seria como desvendar mistérios deste teu olhar.

O amor não é cor ele é simples demais
Como a brisa ele vem no frescor da manhã
Mas foi no teu olhar então que eu pude perceber
Que as cores do amor vejo em você.
Não há mistérios no amor que há em você
Porque as cores do amor vejo em você
Não há mistérios nem segredos
No amor que agora eu vejo, em você...

"E se não vai durar, então que acabe logo..."

Então vou perder os sentidos
Vou perder a direção
E ganhar a consciência de um ser embriagado
Com seus sentidos mergulhados
Em um mar de solidão
Em um mar de imensidão
No infinito fim de um pensamento
No cume da opinião
E se não vai durar
Então que acabe logo
E se vai ter que acabar
Que seja divertido
Não vou ser alvo de piadas
Vou rir dos seus sentimentos
Será que eles realmente existem?
Então não sei mais

Dizendo à você

Alguém me lembrou de escrever a você
Com o que eu diria se estivesse aqui
Depois de muito pensar
Entendi que só diria que te amo
Não o quanto eu te amo
Isso você iria descobrir
Não porque eu te amo
Pois isso, eu mesma não sei
Não quando te amei pela primeira vez
Pois me parece ser eternamente
Sem começo e sem fim
Não se existem motivos pra esse amor
Acaso não são os motivos que põem limites as circunstâncias?
Como pode existir motivos,
Para algo tão imensurável,
Infinitamente incontável,
Completamente incondicional
E eternamente eterno?